Maioria no Brasil, os microempreendedores crescem nos serviços

 

O Estado de S. Paulo - SP - 17/02/2019

O mercado dos microempreendedores individuais cresceu tanto desde o inicio do programa MEI, há dez anos, que hoje eles são maioria entre todos os empreendimentos do Brasil.

Uma mistura de crise econômica com desemprego empurrou trabalhadores ao programa e ao mercado de serviços, que, com um recente reaquecimento da economia, tem potencial de crescimento neste ano. Relatório anual da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) diz que 53% de todos empreendimentos no Brasil são MEIs.

O estudo aponta também que, com a perspectiva de melhora da economia,31% dos brasileiros adultos veem o momento como oportuno para investir em um novo negócio. Criado em 2008, o programa MEI tem ganhado mais popularidade por, além de formalizar trabalhadores informais e garantir-lhes beneficios como salário-matemidade, também é uma saida para o desemprego crescente.

Em média, há 1 milháo de novas MEIs por ano, segundo o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio ás Micro e Pequenas Empresas). 

Para o professor e coordenador do e Novos Negécios da FGV-SP, Edgard Barki, o grande número de MEIs está ligado a trés principais fatores. "A crise económica fez o desemprego ereseer, e o empreendimento individual toma-se uma alternativa para muitos, outro fator é que o MEI é uma forma muito simples e vantajosa de abrir e manter um negócio. E o terceiro fator tem a ver com uma geraçáo que busca outras formas de vida e carreira."

De acordo com o recente relatório do Sebrae "Os Negócios Promissores em 2019", a melhora da e.conomia deve favorecer empresas de micro e pequeno portes voltadas à prestaçáo de serviços pessoais, como cuidador de idosos.

"Quanto mais a economia se reaquece, mais o poder de compra das pessoas aumenta e, naturalmente, mais serviços são demandados e mais oportunidades sáo geradas", diz o diretor superintendente do Sebrae-SP, Luis Sobral.

0 documento do Sebrae contabiliza 3,4 milhões de MEIs no setor de serviços, que representam 45% do total de negócios nesse setor no País. Além disso, o crescimento é constante. Entre 2014 e 2018, houve um aumento médio de 18% ao ano de MEIs no setor de serviços. A tendéncia se mantém para 2019, diz o Sebrae, ainda mais observado o aumento no ano passado do limite de faturamento anual para MEIs de R$ 61 mil para R$ 81 mil.